Projetos de pesquisa – Linha 2

Antropologia digital e mediações socioculturais

Responsável – MONICA MACHADO CARDOSO

O projeto de pesquisa visa dialogar com a interface da comunicação, antropologia e psicossociologia. Para isso procura investigar as mediações socioculturais como fenômenos que dialogam entre as expressões online e offline ou entre as culturas midiáticas e as experiências presenciais comunitárias e ainda dialogar entre os registros de subjetividades e mobilizações em culturas comunitárias.

As guerras contemporâneas: Violências psicossociais e caminhos de enfrentamento

Responsável – MILTON NUNES CAMPOS

O projeto visa discutir, através de exemplos concretos e práticos, violências psicossociais que se configuram como verdadeiras guerras de extermínio de vividos, ancoradas em preconceitos de todas as ordens e manipulações do outro por mecanismos de poder econômico, político e cultural. Teoricamente se ancora em um desenvolvimento da ecologia dos sentidos que busca integrar e rediscutir questões de fundo que amparam enraizamentos modernos e pós-modernos para a busca de novas respostas intelectuais à crise do contemporâneo. Metodologicamente ancora-se em uma perspectiva interpretativo-crítica que se ampara também das formas da linguagem. Como resultados esperados, prevê ideias razoáveis que possam ser colocadas em prática para que os vividos psicossociais possam enfrentar as violências sem serem exterminados.

Construção da abordagem sociocultural na psicologia e na psicologia social brasileira: Inovações em perspectiva histórica

Responsável – REGINA HELENA DE FREITAS CAMPOS

Este projeto de pesquisa visa investigar em profundidade a construção da abordagem sociocultural aos fenômenos psicológicos na psicologia e na psicologia social no Brasil em perspectiva histórica, tomando como referência inicial a obra de Helena Antipoff e de outros psicólogos brasileiros que avançaram na teorização sobre o impacto da sociedade e da cultura no desenvolvimento psicossocial do ser humano, gerando tecnologias de intervenção psicossocial compatíveis com essa compreensão.

Juventude líquida e argumentação em rede: Diálogo ou violência?

Responsável – MILTON NUNES CAMPOS

O objetivo da proposta de pesquisa é o de se estudar processos psicossociais comunicativos de argumentação que se coconstroem em comunidades em rede, com foco nas razões pelas quais jovens adultos fluminenses de 18 a 24 anos que vivem no Grande Rio manifestam e trocam ideias a respeito da sociedade em que vivem, levando à ação política. Trata-se de um projeto de pesquisa interdisciplinar envolvendo os campos da psicologia social e comunitária, da comunicação, da filosofia e da sociologia. A abordagem teórica está fundamentada na ecologia dos sentidos, que integra contribuições das psicologias construtivista e socioconstrutivista, e dos aportes críticos da filosofia de Habermas a respeito do diálogo e/ou violência, e da sociologia de Bauman no que tange ao contexto de liquidez das relações sociais no mundo contemporâneo. O método utilizado é o do estudo de caso ideográfico ancorado teoricamente, com abordagem híbrida quantitativa (análise de questionários), qualitativa (análise de entrevistas) e lógico-argumentativa (análise das conversas em rede). A estratégia de amostragem é múltipla: conveniente, por bola de neve e por critério. Os dados obtidos serão (a) quantificados (questionários) e (b) analisados qualitativa e lógico-argumentativamente (questionários, entrevistas e conversas entre amigos nas redes sociais). Espera-se que a análise dos dados e sua interpretação nos permita chegar a uma compreensão crítica da problemática cognitivo-afetiva e ético-política das trocas comunitárias, de modo a verificar se estas tendem mais à ação política fundamentada no diálogo, ou na violência.

Memória, território e ocupação em estudos de comunidade

Responsável – SAMIRA LIMA DA COSTA

O projeto tem como objetivo identificar e discutir diferentes modos de construção da memória social e cultural a partir dos múltiplos usos possíveis do território e da diversidade de sentido que se pode dar à ocupação. O projeto visa realizar este debate com base na organização social comunitária, tanto do ponto de vista teórico-conceitual quanto do campo. Entende-se que a diferença nos modos de produção de memória, de território e de ocupação vem constituindo, nos campos de disputa de forças, focos de resistência às ações hegemônicas e homogeneizantes de compreender e significar a vida.

Práticas interculturais dos migrantes transnacionais no Brasil: Negócios étnicos e negociações identitárias

Responsável – MOHAMMED ELHAJJI

O projeto objetiva desvelar as estruturas discursivas atrás das práticas interculturais empreendidas pelos migrantes recém estabelecidos no Brasil. O estudo ambiciona identificar as principais modalidades de comunicação intercultural próprias ao contexto migratório brasileiro e tentar avaliar seu grau de sucesso em termos de reconhecimento simbólico e integração social.

Repetência e abandono no ensino público regular: olhar da psicossociologia para a produção do fracasso escolar na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Responsável – LUCIENE ALVES MIGUEZ NAIFF

A presente pesquisa tem como objetivos identificar representações sociais de alunos, professores e pais de alunos de escolas públicas da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro em relação à evasão escolar e a repetência, investigando possíveis causas e conseqüências no âmbito da psicologia social; e mapear os fatores propulsores e inibidores da construção da identidade de “estudante” na vida dos alunos. Os fenômenos ligados ao chamado “fracasso escolar” se iniciam na escola regular e serão responsáveis para que uma parcela considerável de alunos venha futuramente frequentar a Educação de jovens e adultos (EJA) ou desistir prematuramente do ensino formal. As etapas escolares interrompidas na educação básica em regime regular acabam afetando a dinâmica psicossocial envolvida nas decisões dos alunos na sua vida prática e profissional, nas suas relações interpessoais, na forma de pensar e compreender o mundo a sua volta a partir de um discurso compartilhado em sue grupo social através das representações sociais que produzem e na identidade social que irão construir. A partir do referencial teórico da Teoria das Representações Sociais e de forma complementar pela Teoria da Identidade Social iremos compreender os fenômenos relacionados ao “fracasso escolar”.

Saberes e ocupações tradicionais: Memória, ocupação e desenvolvimento local

Responsável – SAMIRA LIMA DA COSTA

A pesquisa pretende identificar os modos de organização para o desenvolvimento local, produção de memórias e sistematização das ocupações tradicionais produzidas individual e coletivamente nas comunidades tradicionais do Rio de Janeiro, iniciando pelo Quilombo do Grotão (em Niterói) e se estendendo para outras comunidades através do método de rede de indicações. Tem como proposta analisar a construção de identidade tradicional a partir da discussão acerca das produções contemporâneas de memória, ocupação e território.