Amaru: redes de pesquisadores em Terapia Ocupacional da América Latina
Integrante: RICARDO LOPES CORREIA

Descrição: A presente pesquisa tem como tema central a produção de conhecimento acadêmico e científico em Terapia Ocupacional na América Latina. OBJETIVO. Realizar mapeamento dos(as) pesquisadores e das pesquisas de/em terapia ocupacional latino-americanas, para que seja possível traçar o perfil dos(as) pesquisadores, identificar os grupos de investigação e mapear os projetos de pesquisa em relação à área, tempo, financiamento, parcerias, população envolvida, procedimentos, referenciais teóricos, resultados e produtos gerados. METODOLOGIA. Trata-se de um estudo quantitativo e qualitativo descritivo que deverá ser realizado em duas etapas. Na etapa I, serão realizados mapeamento de Instituições de Ensino Superior e Pesquisa, suas respectivas coordenações, diretorias ou chefias por meio de sítios eletrônicos e outros documentos e registros acadêmicos, estes serão convidados a participar da pesquisa e indicar os(as) pesquisadores(as) de sua respectivas instituições e serviços, que em seguida também serão convidados. Será criado um plano de comunicação e uma página web que fornecerá dados da pesquisa com atualizações sistemáticas para que diferentes meios de informação como redes sociais, reportagens, outras páginas web, correios eletrônicos possam divulgar a pesquisa e consequentemente o convite para participação e, assim, ampliar o escopo dos participantes. Na etapa II, serão aplicados questionário online contará com três eixos de dados: a) caracterização do perfil, formação e trajetória dos participantes; b) mapeamento dos dados sobre os projetos de pesquisa desenvolvidos e em desenvolvimento pelos/as pesquisadores/as e, c) formas/meios/estratégias relativas utilizadas para a divulgação científica. A pesquisa contará com o apoio de delegados/as das entidades nacionais na Confederación Latinoamericana de Terapeutas Ocupacionales. Para as sistematizações, cruzamentos e análises será utilizado software Excel® para dados quantitativos e o software Atlas TI® contribuirá para as análises qualitativas, produzindo categorias e apontando tendências e padrões, apontando similaridades, atribuindo importâncias e ranqueamento de fatores apontados previamente. Todos os procedimentos éticos serão realizados, incluindo aprovação em Comitê de Pesquisa e utilização dos Termos de Consentimento Livre e Esclarecido pelo(as) participantes. RESULTADOS ESPERADOS A pesquisa contribuirá de forma ímpar na compreensão sobre a construção de conhecimento produzida na área e a correlação entre suas trajetórias, produções acadêmicas e perfis de pesquisa. As análises serão importantes para ampliar a compreensão na correlação histórica, panorama atual e, ainda projetar perspectivas para o campo em toda a América Latina. O estudo pretende ter resultados divulgados, assim como, contribuir com o debate acadêmico, fomento de parcerias e da investigação e projeções para este campo.

Antropologia digital e mediações socioculturais
Responsável – MONICA MACHADO CARDOSO

O projeto de pesquisa visa dialogar com a interface da comunicação, antropologia e psicossociologia. Para isso procura investigar as mediações socioculturais como fenômenos que dialogam entre as expressões online e offline ou entre as culturas midiáticas e as experiências presenciais comunitárias e ainda dialogar entre os registros de subjetividades e mobilizações em culturas comunitárias.

As guerras contemporâneas: Violências psicossociais e caminhos de enfrentamento
Responsável – MILTON NUNES CAMPOS

O projeto visa discutir, através de exemplos concretos e práticos, violências psicossociais que se configuram como verdadeiras guerras de extermínio de vividos, ancoradas em preconceitos de todas as ordens e manipulações do outro por mecanismos de poder econômico, político e cultural. Teoricamente se ancora em um desenvolvimento da ecologia dos sentidos que busca integrar e rediscutir questões de fundo que amparam enraizamentos modernos e pós-modernos para a busca de novas respostas intelectuais à crise do contemporâneo. Metodologicamente ancora-se em uma perspectiva interpretativo-crítica que se ampara também das formas da linguagem. Como resultados esperados, prevê ideias razoáveis que possam ser colocadas em prática para que os vividos psicossociais possam enfrentar as violências sem serem exterminados.

Construção da abordagem sociocultural na psicologia e na psicologia social brasileira: Inovações em perspectiva histórica
Responsável – REGINA HELENA DE FREITAS CAMPOS

Este projeto de pesquisa visa investigar em profundidade a construção da abordagem sociocultural aos fenômenos psicológicos na psicologia e na psicologia social no Brasil em perspectiva histórica, tomando como referência inicial a obra de Helena Antipoff e de outros psicólogos brasileiros que avançaram na teorização sobre o impacto da sociedade e da cultura no desenvolvimento psicossocial do ser humano, gerando tecnologias de intervenção psicossocial compatíveis com essa compreensão.

Estudos da Ocupação Humana em países da América Latina e de língua portuguesa 
Responsável: RICARDO LOPES CORREIA

A Ocupação Humana é um construto que designa o envolvimento de indivíduos e coletivos em seus ambientes. Os fenômenos produzidos desta relação possuem características específicas e integradas que precisam ser melhor estudas e aplicadas nas áreas de interesse. Desta forma, toma-se como hipótese que a noção de Estudos da Ocupação possa ser um campo de investigação teórico-metodológico para as questões que implicam a complexidade da Ocupação Humana, sobretudo, na região da América Latina e em países de língua de portuguesa, que na última década passaram a incorporar na literatura cientifica tal construto. Partindo de estudos que antecederam a Terapia Ocupacional, até a sua fundação enquanto profissão e área de conhecimento, e, atualmente, sob uma perspectiva inter e transdisciplinar, a Ocupação Humana interessa como um determinante na estruturação da vida social, na formação de pessoas e populações, e os estados de bem-estar e a garantia de direitos à ela atrelados. Assim, o objetivo deste projeto de pesquisa é compreender as trajetórias de incorporação, compreensão, uso e difusão do construto Ocupação Humana enquanto objeto de conhecimento e intervenção da Terapia Ocupacional junto a terapeutas ocupacionais de países da América Latina e de Língua Portuguesa. Para isso, será conduzida uma pesquisa de natureza exploratória-dialética e interpretativa, que reunirá métodos mistos para a produção e análise dos dados. A produção dos dados consistirá na construção de uma rede de terapeutas ocupacionais, autores e autoras, que utilizam o construto de Ocupação Humana em produções científicas, e que em seguida serão elencados e identificados pelo método bola neve, a fim de realizar entrevistas em profundidade para elaboração e interpretação do construto e suas linhas teórico-metodológicas e aplicação prática na realidade. O projeto prevê a participação de cerca de 135 participantes, que estejam envolvidos com a produção do tema, de 26 países da região Latino-americana e de língua portuguesa. Todos os procedimentos éticos serão garantidos e espera-se enquanto produtos desta pesquisa o compartilhamento dos resultados e conclusões, por meio de artigos científicos, um livro e a difusão em eventos científicos.

Iniciativas em desenvolvimento local participativo em territórios vulneráveis: táticas cotidianas para o direito à cidade (em construção)
Responsável: RICARDO LOPES CORREIA

A cidade é o espaço social privilegiado para o acontecimento da convivência e sentidos de participação enquanto experiências humanas. A mercantilização do solo urbano das cidades, acentuado pelo sistema neoliberalista, orientou modelos de planejamento que ordenaram as formas de ocupação e pertencimento dos sujeitos sociais no solo urbano das cidades. Com isso, estabelece-se uma paisagem urbana marcada por contradições e assimetrias injustas de poder sobre a construção da cidade em que se habita. Em tela, as iniciativas em desenvolvimento local participativo compreendem formas de agir específicas no território, que levam em conta as dinâmicas cotidianas de determinados grupos sociais territorializados e organizados a partir de investimentos e sentimentos comunitários. Assim, o objetivo desta pesquisa é compreender as táticas cotidianas de sujeitos sociais, organizados ou não, em iniciativas de fomento ao desenvolvimento local participativo e as suas implicações na garantia do direito à cidade. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, de natureza qualitativa, que reúne e cria métodos mistos para a produção de dados. A pesquisa será realizada preferencialmente no Estado do Rio de Janeiro, mas poderá contemplar iniciativas em desenvolvimento local participativo de outros estados. Opta-se pelos bairros, como a menor dimensão da escala geográfica e administrativa da cidade, para mapear as iniciativas. Para tanto, será utilizado o Mapa da Desigualdade, criado pela ONG Casa Fluminense (2019), a fim de identificar as localidades de maior vulnerabilidade nos bairros do estado fluminense. Serão convidados a participar da pesquisa sujeitos que proponham iniciativas baseadas no desenvolvimento local participativo em diversas áreas como saúde, cultura, social, educação, meio ambiente, economia, tecnologia e ciência, entre outras. Contudo, este projeto de pesquisa insere-se no escopo da ‘inclusão social’ enquanto uma dimensão fundamental da liberdade dos sujeitos sociais na cidade. Preocupa-se em identificar iniciativas comprometidas com a fratura do social e as suas expressões como questões comunitárias e que, portanto, são acionadas psicossociologicamente como um agir específico do coletivo local. As iniciativas não são ‘simples’ estratégias de compensar a ausência do Estado, e sim, um poder local instituído cotidianamente em territórios vulneráveis pelos próprios sujeitos sociais que os habitam – um poder local que disputa com o próprio Estado. 

Juventude líquida e argumentação em rede: Diálogo ou violência?
Responsável – MILTON NUNES CAMPOS

O objetivo da proposta de pesquisa é o de se estudar processos psicossociais comunicativos de argumentação que se coconstroem em comunidades em rede, com foco nas razões pelas quais jovens adultos fluminenses de 18 a 24 anos que vivem no Grande Rio manifestam e trocam ideias a respeito da sociedade em que vivem, levando à ação política. Trata-se de um projeto de pesquisa interdisciplinar envolvendo os campos da psicologia social e comunitária, da comunicação, da filosofia e da sociologia. A abordagem teórica está fundamentada na ecologia dos sentidos, que integra contribuições das psicologias construtivista e socioconstrutivista, e dos aportes críticos da filosofia de Habermas a respeito do diálogo e/ou violência, e da sociologia de Bauman no que tange ao contexto de liquidez das relações sociais no mundo contemporâneo. O método utilizado é o do estudo de caso ideográfico ancorado teoricamente, com abordagem híbrida quantitativa (análise de questionários), qualitativa (análise de entrevistas) e lógico-argumentativa (análise das conversas em rede). A estratégia de amostragem é múltipla: conveniente, por bola de neve e por critério. Os dados obtidos serão (a) quantificados (questionários) e (b) analisados qualitativa e lógico-argumentativamente (questionários, entrevistas e conversas entre amigos nas redes sociais). Espera-se que a análise dos dados e sua interpretação nos permita chegar a uma compreensão crítica da problemática cognitivo-afetiva e ético-política das trocas comunitárias, de modo a verificar se estas tendem mais à ação política fundamentada no diálogo, ou na violência.

Memória, território e ocupação em estudos de comunidade
Responsável – SAMIRA LIMA DA COSTA

O projeto tem como objetivo identificar e discutir diferentes modos de construção da memória social e cultural a partir dos múltiplos usos possíveis do território e da diversidade de sentido que se pode dar à ocupação. O projeto visa realizar este debate com base na organização social comunitária, tanto do ponto de vista teórico-conceitual quanto do campo. Entende-se que a diferença nos modos de produção de memória, de território e de ocupação vem constituindo, nos campos de disputa de forças, focos de resistência às ações hegemônicas e homogeneizantes de compreender e significar a vida.

Práticas interculturais dos migrantes transnacionais no Brasil: Negócios étnicos e negociações identitárias
Responsável – MOHAMMED ELHAJJI

O projeto objetiva desvelar as estruturas discursivas atrás das práticas interculturais empreendidas pelos migrantes recém estabelecidos no Brasil. O estudo ambiciona identificar as principais modalidades de comunicação intercultural próprias ao contexto migratório brasileiro e tentar avaliar seu grau de sucesso em termos de reconhecimento simbólico e integração social.

Questões de gênero na formação em terapia ocupacional
Responsável: RICARDO LOPES CORREIA

O objetivo desta pesquisa é compreender de que maneira as questões de gênero são abordadas durante a formação em Terapia Ocupacional no Brasil. Para isso, será conduzida uma pesquisa exploratória e descritiva, com abordagem quali-quantitativa, dividida em duas etapas. A primeira consistirá em levantamento de documentos oficiais sobre atividades de ensino, pesquisa e extensão de 40 cursos de Terapia Ocupacional de Instituições de Ensino Superior do Brasil, e a segunda etapa com aplicação de questionários online, em uma amostra transversal e aleatória de 1.000 estudantes e 100 docentes de cursos de graduação em Terapia Ocupacional do país. Para o tratamento dos dados coletados serão utilizadas a Análise Documental e procedimentos técnicos da Análise de Conteúdo. Propõem-se a correlação e interpretação teórica dos dados de ambas as etapas da pesquisa, a partir de método dedutivo, a fim de orientar apontamentos sobre os avanços e os desafios da formação em Terapia Ocupacional, a partir da perspectiva das questões de gênero.

Repetência e abandono no ensino público regular: Olhar da psicossociologia para a produção do fracasso escolar na Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Responsável – LUCIENE ALVES MIGUEZ NAIFF

A presente pesquisa tem como objetivos identificar representações sociais de alunos, professores e pais de alunos de escolas públicas da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro em relação à evasão escolar e a repetência, investigando possíveis causas e conseqüências no âmbito da psicologia social; e mapear os fatores propulsores e inibidores da construção da identidade de “estudante” na vida dos alunos. Os fenômenos ligados ao chamado “fracasso escolar” se iniciam na escola regular e serão responsáveis para que uma parcela considerável de alunos venha futuramente frequentar a Educação de jovens e adultos (EJA) ou desistir prematuramente do ensino formal. As etapas escolares interrompidas na educação básica em regime regular acabam afetando a dinâmica psicossocial envolvida nas decisões dos alunos na sua vida prática e profissional, nas suas relações interpessoais, na forma de pensar e compreender o mundo a sua volta a partir de um discurso compartilhado em sue grupo social através das representações sociais que produzem e na identidade social que irão construir. A partir do referencial teórico da Teoria das Representações Sociais e de forma complementar pela Teoria da Identidade Social iremos compreender os fenômenos relacionados ao “fracasso escolar”.

Saberes e ocupações tradicionais: Memória, ocupação e desenvolvimento local
Responsável – SAMIRA LIMA DA COSTA

A pesquisa pretende identificar os modos de organização para o desenvolvimento local, produção de memórias e sistematização das ocupações tradicionais produzidas individual e coletivamente nas comunidades tradicionais do Rio de Janeiro, iniciando pelo Quilombo do Grotão (em Niterói) e se estendendo para outras comunidades através do método de rede de indicações. Tem como proposta analisar a construção de identidade tradicional a partir da discussão acerca das produções contemporâneas de memória, ocupação e território.

Vulnerabilidade Social entre a população idosa na Americana Latina 
Integrante: CLAUDIA REINOSO ARAÚJO DE CARVALHO

Descrição: Pesquisa qualitativa visando entender a vulnerabilidade social em idosos na América Latina, comparando similaridades, bem como identificar as principais ações acerca dos direitos humanos e proteção social das pessoas idosas na América Latina e Caribe. Natureza teórica com busca realizada em bases de dados demográficos dos países e indicadores socioeconômicos. A pesquisa tem como principais referências as diretrizes do trabalho sistemático realizado pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), através do Centro Latino Americano e Caribenho de Demografia (CELADE) na Divisão de População da CEPAL, para apoiar os países da região na incorporação do envelhecimento nas agendas de desenvolvimento.

Vulnerabilidade social, participação comunitária e engajamento social
Integrante: CLAUDIA REINOSO ARAÚJO DE CARVALHO

Considerando a necessidade posta aos países latino- americanos quanto ao desafio de se promover a expansão da cidadania e o de enfrentar os problemas decorrentes das desigualdades sociais, a pesquisa tem o objetivo de analisar as formas coletivas de organização de populações historicamente vulneráveis acerca de suas demandas sociais, e como estas desenvolvem suas estratégias coletivas de enfrentamento. Parte-se do pressuposto de que uma das principais questões que contribuem para a desigualdade está relacionada à vulnerabilidade social, entendida como um conjunto de características, de recursos materiais ou simbólicos e de habilidades inerentes a indivíduos ou grupos, que podem ser insuficientes ou inadequados para o aproveitamento das oportunidades disponíveis na sociedade. Compreende-se ainda que a diminuição dos níveis de vulnerabilidade social pode se dar a partir do fortalecimento dos grupos para que estes  possam  ampliar seu universo material e simbólico, além de suas condições de mobilidade social. A participação social, no paradigma sócio crítico, é entendida como chave para emancipação e desenvolvimento pessoal e coletivo no enfrentamento dos processos de exclusão e opressão.